“Não tenho vergonha de ser Catador”

|

por Karollyne Morais, em 29 de junho de 2014 em arte, sustentabilidade com nenhum comentário

A profissão de agente ambiental, ou coletor de resíduos, ou mais conhecido como catadores de latinhas, vem carregada de preconceito e exclusão. Em muitas cidades do país, essas pessoas são marginalizadas pela sociedade, despertando medo e criando um abismo de isolamento. A queixa principal, é sempre a mesma: desvalorização.

O fato é que são Pessoas. Ao contrário do que o senso comum diz, são pais de família, muito trabalhadores, que como a maioria dos brasileiros, levanta cedo, batalha e luta pelo pão diariamente. Inúmeros projetos vem sendo realizados, e eu conheço pessoalmente alguns aqui de Brasília, na tentativa de reinserir essas pessoas na comunidade, de forma digna e respeitosa. Pois o trabalho deles tem um grande potencial, tanto na preservação ambiental, como na logística reversa de resíduos. Mas quanto aos projetos candangos, eu vou contar em detalhes em outra postagem… Hoje quero mostrar uma ideia muito linda que encontrei nas minhas pesquisas na internet:

pimp my carroça

Tudo que envolve arte e criatividade com preservação ambiental, só pode resultar em iniciativas cheias de humanidade! Essa sensação de colocar um sorriso no rosto, principalmente de rostos cansados de serem invisíveis, tem mais valor do que qualquer discurso ideológico ou horas de informações e dados. Que os agentes ambientais são essenciais para a coleta de resíduos e materiais recicláveis, isso não é preciso repetir. Que são pessoas corajosas por atropelarem todos os dias o preconceito, também é desnecessário… Mas, porque não fazer isso em grande estilo?

Com seus carrinhos eles cortam as cidades, sob sol ou chuva pra recolher o nosso lixo, e a turma do Pimp my Carroça, está resgatando a autoestima dessas pessoas com muita arte e cor. Mutirões que unem muita tinta e boa vontade transformam as carroças dos catadores em grafites ambulantes. Embora o projeto tenha ações pontuais, a arte impressa nas carroças continua repercutindo e fazendo efeito por onde os catadores passam.

Inclusão é pouco, isso sim é arte!

pimpmy001

pimpmy003

pimpmy002

Visite o site do Projeto Aqui.

 

Karollyne Morais
karollyne-morais_ciclopak  
karol.s.morais@gmail.com

Idealizadora do Projeto Casa UpCycling, que nasceu da necessidade de expor as possibilidades infinitas de transformação daquilo que a maioria de nós joga no lixo. Usando a criatividade como ferramenta para dar a oportunidade a matéria-prima de qualidade de retornar ao ciclo. Mas acima de tudo, tem o objetivo de inspirar outras mentes inovadoras a uma postura de consumo e vida sustentável.

O lixo que fala

|

por Karollyne Morais, em 29 de novembro de 2013 em arte, cultura, reutilização, upcycling com 34 comentários

Quando pousei os olhos sobre as peças do artista plástico e designer gráfico Marcelo Caparroz, foi como ler uma poesia. Me identifiquei tanto que estou escrevendo este post em primeira pessoa. Seu trabalho é de uma profundidade de significados que fala por si só. Ele mistura upcycling, fotografia e poesia, resultando em arte pura.

PORTA TRECOS DUPLO

Marcelo tem 46 anos, é de Porto Alegre mas mora em São Paulo. Em entrevista, revelou que desde muito jovem, sempre se sentiu atraído pela natureza e suas belezas. Com o tempo, foi se dando conta de como os lugares onde fazia acampamentos e trilhas estavam aos poucos sendo degradados pelo descuido e pelo lixo. Em 1997, começou a reaproveitar o próprio lixo em casa, como uma espécie de terapia, mas só dez anos depois publicou suas peças através do blog Segundo Erre. O nome do blog dialoga com a proposta da Agenda 21, os 3R’s (reduzir, reaproveitar e reciclar).

Mesmo muito tempo depois, as pessoas ainda confundem o significado de cada R. Reduzir é diminuir o consumo, consumir melhor e de forma inteligente sem desperdícios. Reciclar é quando um resíduo volta ao ciclo com a mesma função que tinha originalmente. Nesse caso, pode sofrer processamento físico e químico, como por exemplo, as garrafas PET. Passam por uma série de etapas até se tornarem plástico útil novamente. Quando você Reaproveita, você mantém as características do resíduo, mas confere a ele um valor maior. Não entendeu ainda? Olha as peças do Marcelo, ele agregou valor, e o que era lixo, agora é arte:

PANELA DE LUZ RELÓGIOS QUEBRADOS

BANQUETA DE DEDOS

O mais interessante do trabalho dele, é a mensagem que ele transmite. O objetivo, como ele próprio descreve, é incentivar as pessoas a praticarem os 3R’s.

Se você também prestigia pessoas que buscam fazer a diferença e acredita no potencial de artistas como o Marcelo, compartilhe. Ele está em busca de parcerias para realização de palestras, cursos e a exposição das suas peças. Lá no blog dele tem muito mais fotos para ver, confira aqui.

 

Karollyne Morais
karollyne-morais_ciclopak  
karol.s.morais@gmail.com

Idealizadora do Projeto Casa UpCycling, que nasceu da necessidade de expor as possibilidades infinitas de transformação daquilo que a maioria de nós joga no lixo. Usando a criatividade como ferramenta para dar a oportunidade a matéria-prima de qualidade de retornar ao ciclo. Mas acima de tudo, tem o objetivo de inspirar outras mentes inovadoras a uma postura de consumo e vida sustentável.

Gostou? Compartilhe essa ideia!

Arte que Encaixa

|

por Rodolfo Ori, em 16 de abril de 2013 em arte com nenhum comentário

 

A caixa de leite é um dos resíduos mais conhecidos e falados desde que as palavras “eco” e “reciclagem” ganharam popularidade em nosso dia-a-dia!

Na Espanha, alunos de mais de 100 faculdades coletaram mais de 45 mil caixas de leite e construíram a maior estrutura reciclável do mundo.

Post Arte que Encaixa - imagem 1

Desenhado por CUAC Arquitectura e por Sugarplatform o projeto inciou com a distribuição de um folheto informativo em centenas de instituições de ensino em Granada. A disponibilidade dos estudantes em contribuir com o projeto gerou uma coleta de 45 mil embalagens de leite. As embalagens foram moldadas com grampos em um ângulo de 135º formando dois tipos de módulos independentes: a parede, como peça sólida e uma torre que une duas outras peças linearmente ou perpendicularmente.

Post Arte que Encaixa - imagem 2

O pavilhão foi construído em apenas duas semanas e em duas etapas. A primeira foi com a ajuda de 120 estudantes que tiveram aulas de projeto na Faculdade de Arquitetura de Granada e construíram cerca de 300 módulos. A segunda etapa foi com o transporte e montagem destes módulos para o Parque de Ciências.

Post Arte que Encaixa - imagem 3

O objetivo do projeto implicou em conscientizar as pessoas da importância do tratamento e reciclagem dos lixos e resíduos produzidos pelo ser humano para a proteção do meio ambiente e mostrar que é possível usar a cabeça para a construção de estruturas temporárias com o selo verde de verdade!

Post Arte que Encaixa - imagem 4

O pavilhão inteiro foi desmontado e enviado para um centro de reciclagem. Esta iniciativa rendeu o Guiness com recorde mundial de maior estrutura construída à partir de material reciclado.

Será que se fizermos algo parecido, geraremos algum impacto em nosso meio de vida urbanizado. Se alguém quiser tentar, entre em contato conosco.

Maiores informações no site da Hypeness.

Rodolfo Ori
rodolfo_ori  
rodolfo.ori@terra.com.br

Rodolfo foi vendedor por mais de doze anos na área de bens de consumo e há alguns meses resolveu que poderia contribuir mais para ajudar na conscientização das pessoas em fazer um consumo consciente. É colaborador em algumas peças gráficas do Ciclopak e roteirista e escritor nas horas vagas.

Gostou? Compartilhe essa ideia!

 

Skate Guitar

|

por contato@ciclopak.com.br, em 27 de março de 2013 em arte, inovação, música, upcycling com nenhum comentário

 

Após a invenção da guitarra na década de 40 e do skate em 1950, seria quase inevitável que alguém não combinasse estes dois objetos. A ideia de unir os dois ícones veio dos hermamos Ezequiel Galasso e Gianfranco Gennaro. A dupla de Buenos Aires criou a Skate Guitar, um projeto que recicla skates transformando o objeto em uma guitarra.

Post SkateGuitar - imagem 01

Ezequiel sempre foi fascinado por tecnologias sustentáveis e um skatista old-school assumido. Do outro lado, Gianfranco – skatista profissional e músico de hard core na banda B.O.D. Deste mix, veio a ideia de reutilizar os skates recriando o instrumento musical básico do rock: a guitarra.

Post SkateGuitar - imagem 02

Post SkateGuitar - imagem 04

A estrutura de um shape de skate é desenhada para suportar uma pessoa de mais de 80 quilos. Imaginem 14 camadas pressionadas utilizando a tecnologia das melhores marcas de skate do mundo. O Skate Guitar não precisa de muito cuidado: suporta arranhões e batidas tranquilamente.

Post SkateGuitar - imagem 03

Para ver o vídeo das guitarras chorando, clique aqui.

Informações vindas do site Hypeness

Rodolfo Ori
rodolfo_ori  
rodolfo.ori@terra.com.br

Rodolfo foi vendedor por mais de doze anos na área de bens de consumo e há alguns meses resolveu que poderia contribuir mais para ajudar na conscientização das pessoas em fazer um consumo consciente. É colaborador em algumas peças gráficas do Ciclopak e roteirista e escritor nas horas vagas.

Gostou? Compartilhe essa ideia!

 

parceiros:





apoio:

sobre

Somos uma iniciativa cultural, que propõe a discussão e fomentação da reutilização de materiais explorando as mais diversas áreas criativas do conhecimento por um mundo mais bonito e mais sustentável.

Faça parte desse ciclo!

faça parte

O Projeto Ciclopak é um projeto independente e sem fins lucrativos. Você é fundamental para que essa ideia continue. Buscamos pessoas para colaborar em diversas áreas do projeto e parcerias com empresas comprometidas com o desenvolvimento sustentável. Entre em contato e saiba mais: contato@ciclopak.com.br