O lixo que fala

|

por Karollyne Morais, em 29 de novembro de 2013 em arte, cultura, reutilização, upcycling com 34 comentários

Quando pousei os olhos sobre as peças do artista plástico e designer gráfico Marcelo Caparroz, foi como ler uma poesia. Me identifiquei tanto que estou escrevendo este post em primeira pessoa. Seu trabalho é de uma profundidade de significados que fala por si só. Ele mistura upcycling, fotografia e poesia, resultando em arte pura.

PORTA TRECOS DUPLO

Marcelo tem 46 anos, é de Porto Alegre mas mora em São Paulo. Em entrevista, revelou que desde muito jovem, sempre se sentiu atraído pela natureza e suas belezas. Com o tempo, foi se dando conta de como os lugares onde fazia acampamentos e trilhas estavam aos poucos sendo degradados pelo descuido e pelo lixo. Em 1997, começou a reaproveitar o próprio lixo em casa, como uma espécie de terapia, mas só dez anos depois publicou suas peças através do blog Segundo Erre. O nome do blog dialoga com a proposta da Agenda 21, os 3R’s (reduzir, reaproveitar e reciclar).

Mesmo muito tempo depois, as pessoas ainda confundem o significado de cada R. Reduzir é diminuir o consumo, consumir melhor e de forma inteligente sem desperdícios. Reciclar é quando um resíduo volta ao ciclo com a mesma função que tinha originalmente. Nesse caso, pode sofrer processamento físico e químico, como por exemplo, as garrafas PET. Passam por uma série de etapas até se tornarem plástico útil novamente. Quando você Reaproveita, você mantém as características do resíduo, mas confere a ele um valor maior. Não entendeu ainda? Olha as peças do Marcelo, ele agregou valor, e o que era lixo, agora é arte:

PANELA DE LUZ RELÓGIOS QUEBRADOS

BANQUETA DE DEDOS

O mais interessante do trabalho dele, é a mensagem que ele transmite. O objetivo, como ele próprio descreve, é incentivar as pessoas a praticarem os 3R’s.

Se você também prestigia pessoas que buscam fazer a diferença e acredita no potencial de artistas como o Marcelo, compartilhe. Ele está em busca de parcerias para realização de palestras, cursos e a exposição das suas peças. Lá no blog dele tem muito mais fotos para ver, confira aqui.

 

Karollyne Morais
karollyne-morais_ciclopak  
karol.s.morais@gmail.com

Idealizadora do Projeto Casa UpCycling, que nasceu da necessidade de expor as possibilidades infinitas de transformação daquilo que a maioria de nós joga no lixo. Usando a criatividade como ferramenta para dar a oportunidade a matéria-prima de qualidade de retornar ao ciclo. Mas acima de tudo, tem o objetivo de inspirar outras mentes inovadoras a uma postura de consumo e vida sustentável.

Gostou? Compartilhe essa ideia!

Brinquedo velho… Alegria nova.

|

por Karollyne Morais, em 21 de novembro de 2013 em reutilização, social com 7 comentários

A missão desenvolvida por essa família prova que sempre é possível fazer algo a mais. A alguns anos, durante um trabalho com pessoas, que por inúmeros motivos, acabavam indo morar nas ruas, rodoviárias e marquises da cidade, Virgínia Miranda, ou mais conhecida como Pilu, sentiu um forte desejo de realizar uma festa para as crianças. A oito anos esse desejo vem se tornando realidade diária. Na sua oitava edição, a Festa Anual das Crianças leva dignidade, amor, cuidado e muitos doces e brinquedos para crianças em situação de vulnerabilidade social.

Um dos aspectos interessantes desse evento, é o trabalho desenvolvido com os brinquedos ao longo de todo o ano que antecede a festa. Os brinquedos doados, passam por uma triagem, onde são separados por tipo, peças quebradas e provável faixa etária adequada. Depois esses brinquedos passam por uma boa lavagem e uma grande transformação. Cabelos penteados, roupinha com desenho único e costurados individualmente, carrinhos ganham rodas novas e todos os brinquedos são novamente selecionados para a confecção de Kits, com um brinquedo principal e acessórios. Saquinhos com lindos laços e uma porção de brinquedos selecionados e distribuídos de forma justa e igualitária. Todo mundo ganha presente, nem melhor, nem pior.

Ao todo, a meta anual é de no mínimo 1000 Kits. Mas, o mais importante da festa não esta em doar, e sim, em si doar. Antes da distribuição tem muitas brincadeiras, pula-pula, pintura de rosto, teatro, comida e doces. E muitas pessoas participam e colaboram voluntariamente, antes, durante e depois da festa. O objetivo maior é levar um pouco de lazer e resgatar a identidade e a dignidade das crianças, que são bombardeadas de informações consumistas nesta época do ano, mas muitas vezes não tem acesso nem ao básico de alimentação e vestuário. Muitas das crianças nunca ganharam presentes. E sem dúvida, o sorriso delas compensa todo o trabalho.

A família da Pilu, recebe contribuições de roupas, alimentos, doces, refrigerantes e é claro, brinquedos novos e usados, mas que estejam em bom estado de conservação. Além da Festa Anual das Crianças, eles também desenvolvem outros trabalhos solidários, provando que o consumo colaborativo pode sim fazer a diferença. Todo o evento só é possível graças as contribuições de amigos e familiares, e de Você que com certeza, vai querer ajudar!

Próxima Festa Anual das Crianças: Domingo, 24 de novembro de 2013
Local: Capela Nossa Senhora Das Graças Quadra 217 Parque Alvorada – Lago Azul/GO
Horário: Começa com a missa das crianças às 9:30
Obs: O evento ocorre dentro de uma Igreja, mas é aberto a toda a comunidade. Todos estão convidados para participar.
Para maiores informações, dúvidas e contribuições entrar em contato com a Pilu pelo e-mail: pilupazebem@hotmail.com

 

Karollyne Morais
karollyne-morais_ciclopak  
karol.s.morais@gmail.com

Idealizadora do Projeto Casa UpCycling, que nasceu da necessidade de expor as possibilidades infinitas de transformação daquilo que a maioria de nós joga no lixo. Usando a criatividade como ferramenta para dar a oportunidade a matéria-prima de qualidade de retornar ao ciclo. Mas acima de tudo, tem o objetivo de inspirar outras mentes inovadoras a uma postura de consumo e vida sustentável.

Gostou? Compartilhe essa ideia!

Calçada de Borracha

|

por Rodolfo Ori, em 29 de abril de 2013 em arquitetura, reutilização, sustentabilidade com 4 comentários

 

A garrafa quica e não quebra. Os pés sentem a diferença: o chão está mais macio. A prefeitura de Washington está instalando calçadas de borracha na cidade. Investiu US$ 60 mil nos últimos oito meses. Se o projeto-piloto continuar a dar certo, vai tomar conta da capital americana.

A cidade das árvores, como é conhecida nos Estados Unidos, está cuidando com carinho do título, trocando o cimento pelo piso emborrachado em torno das árvores, para proteger as raízes e acabar com as calçadas quebradas.

Post Calçada de Barracha - imagem 2

O cimento não permite que o ar e a água passem para o solo. Por isso, as raízes crescem para cima, em busca de alimento, e acabam empurrando e quebrando a calçada. Todo ano, a prefeitura tem que trocar blocos inteiros, quebrar o cimento e refazer tudo. Somente com os consertos, gasta cerca de US$ 5 milhões anualmente e ainda tem que se defender de processos na Justiça, porque as pessoas tropeçam, se machucam e exigem indenização.

Entre as placas de borracha, existe espaço suficiente para permitir a passagem de ar e de água. Como elas são maleáveis, também se adaptam à movimentação das raízes. O engenheiro da prefeitura Wasi Khan acrescenta outra vantagem do projeto: as placas são feitas de pneus reciclados, material que ocupa os depósitos de lixo e preocupa as autoridades.

Post Calçada de Barracha - imagem 1

Cada placa, que amortece a caminhada, significa um pneu de borracha a menos nos lixões. Mas o preço ainda é um problema. O revestimento novo custa três vezes mais do que o antigo. A vantagem virá a longo prazo. A calçada deve durar o triplo do tempo.

A instalação das placas de borracha é super-rápida, porque elas se encaixam umas nas outras com pinos que vão em orifícios. Além do mais, é um trabalho simples, porque elas são bem mais leves do que qualquer material de concreto.

Elas também são reversíveis e não queimam com pontas de cigarro. Vantagens econômicas e ecológicas à parte, uma moradora que testou a novidade diz que as árvores estão levando vantagem. Ela gostaria que a calçada inteira fosse mais macia.

Post Calçada de Barracha - imagem 3

Nos Estados Unidos, 86% dos pneus velhos são reciclados fazendo calçadas ou asfalto. Uma tecnologia que está dando os primeiros passos no Brasil. Cada quilômetro de estrada pavimentado com asfalto de borracha pode significar até 7 mil pneus a menos nos lixões.

Matéria do Globo Repórter

Rodolfo Ori
rodolfo_ori  
rodolfo.ori@terra.com.br

Rodolfo foi vendedor por mais de doze anos na área de bens de consumo e há alguns meses resolveu que poderia contribuir mais para ajudar na conscientização das pessoas em fazer um consumo consciente. É colaborador em algumas peças gráficas do Ciclopak e roteirista e escritor nas horas vagas.

Gostou? Compartilhe essa ideia!

 

Luz e Decoração

|

por Marina Brandao, em 11 de janeiro de 2013 em arte, iluminação, reutilização com 1 comentário

Sabe aquelas luzinhas que todo ano você usa para decorar a sua árvore de natal? Pois é, elas sempre fazem o maior sucesso na época de natal, afinal deixam as casas iluminadas de maneira muito divertida e diferente.  Mas o melhor é pensar que estas lampadinhas não precisam ficar guardadas o ano inteiro, com materiais reutilizados é possível fazer uma iluminação super charmosa para decorar sua casa durante todo o ano.

Nesta ideia o importante é soltar a criatividade, reutilizando materiais que iriam para o lixo pode-se fazer uma decoração barata e bonita. Além do mais, dependendo da intenção, esse tipo de iluminação pode trazer bastante aconchego para o ambiente. Mas atenção! Uma dica é que para se ter este tipo de “efeito” é preciso que as lâmpadas sejam de tonalidade amarelada, ou seja, é preferível não utilizar aqueles “piscas” coloridos.

Para a decoração de um dormitório, por exemplo, as luzes podem ser bastante inspiradoras recebendo copinhos descartáveis revestidos com retalhos de tecido ou na parede com papel cortado. Nesse caso servem até aqueles papeis amassados de presente que a gente às vezes joga fora!

Post-Marina-imagem-01

A sala pode ficar ainda mais decorada com florezinhas de garrafa pet, caixinha de leite, caixas de ovo ou até embalagens de iogurte.

Post-Marina-imagem-02

Outra ótima para decorar um cantinho da casa é utilizar as lampadinhas  em garrafas de vidro, formando uma luminária decorativa.

Post-Marina-imagem-03

Pois é, estas são maneiras práticas e baratas de mudar a decoração da sua casa, deixando ela mais “descolada” e simpática. São todas boas maneiras de reaproveitar a decoração feita para as festas de final de ano!

Marina Brandão
 
marina@mbiluminacao.com.br
Formada em Arquitetura e Urbanismo, me especializei na matéria que mais me desperta curiosidade … iluminação. Atualmente dedico a maior parte do meu tempo no desenvolvimento de projetos de iluminação, mas além disso sou apaixonada por qualquer assunto relacionado a arte. Cores, texturas, fotografia, design e novas perspectivas me encantam … então volta e meia me arrisco num “faça você mesmo”. Aqui no Projeto Ciclopak mostrarei que arquitetura e iluminação podem ser grandes aliados para a construção de um mundo melhor.

Gostou? Compartilhe essa ideia!

parceiros:





apoio:

sobre

Somos uma iniciativa cultural, que propõe a discussão e fomentação da reutilização de materiais explorando as mais diversas áreas criativas do conhecimento por um mundo mais bonito e mais sustentável.

Faça parte desse ciclo!

faça parte

O Projeto Ciclopak é um projeto independente e sem fins lucrativos. Você é fundamental para que essa ideia continue. Buscamos pessoas para colaborar em diversas áreas do projeto e parcerias com empresas comprometidas com o desenvolvimento sustentável. Entre em contato e saiba mais: contato@ciclopak.com.br